quarta-feira, março 28, 2012

O Épico Guia da Trilogia de Tormenta



Finalmente terminei de ler o maior suplemento para Tormenta RPG, O Guia da Trilogia. O livro que adapta para regras de rpg todos os detalhes da trilogia dos romances do Leonel Caldela.
E se engana quem pensa que o suplemento só serve para usar os elementos da trilogia com ele. Mas não vou falar sobre isso agora, vamos começar pelo princípio.
Nunca resenhei algum livro da Trilogia de Tormenta aqui no blog, li todos muitos antes de me aventurar pela grande rede e achei que o tempo de fazer estas resenhas já havia passado. 

O Leonel Caldela mostrou todo o potencial que o mundo de Arton tem. Ele apresentou uma face mais cruel e menos bonitinha de Tormenta, porque muita gente via o cenário como algo cômico, bem ao estilo Munchkin (apesar deste ser um cardgame). Penso que por causa dos materiais de suporte serem ilustrados com traços de mangá e as adaptações lançadas para o sistema de seu lançamento (3D&T) traziam para o rpg animes como Cavaleiros do Zodíaco, Pokémon, Digimon, e etc. 

Os mais apressados, que não liam o material voltado especificamente para Arton, achavam que Tormenta era um cenário cheio de personagens de anime com algumas coisas da fantasia medieval. Pelo menos as pessoas que eu tentava chamar para minha mesa pensavam assim. 

A linha migrou para o sistema D20 e continuaram pensando o mesmo de antes. Só os que jogavam Tormenta (3D&T e D20) sabiam que Arton era tão sério e criativo quanto qualquer outro mundo de fantasia. O Leonel foi o responsável por apresentar ao público a verdadeira face de Arton, pois segundo ele a visão do mundo impressa em seus romances já existia n'O Reinado. Ele soube aproveitar esses elementos e acrescentou novos que enriqueceram muito o cenário!

A trilogia foi marcante, mas por mais que ele diga que tudo já existia n'O Reinado, para mim existe Arton Pré-Trilogia e o Arton Pós-Trilogia! A época Pós-Trilogia é a do amadurecimento do cenário e sua consagração.

Isso é uma das muitas outras coisas que penso a respeito da Trilogia, mas por enquanto é o suficiente para servir de introdução para a resenha. Se mais delongas, vamos à ela!


O Guia da Trilogia

O tamanho do livro impressiona, é maior do que o livro básico, pesa 1.2 kg e tem uma lombada de 3cm, pouco mais de 400 páginas e que ainda acho que o espaço ficou pequeno para tanta coisa.

O livro é dividido em 3 partes, uma para cada romance. Classes de prestígios (CdP), talentos e regras aparecem na medida de que vão surgindo durante os romances. Inicialmente parece confuso, pois é diferente dos outros suplementos em que tudo está numa única sessão, mas tem um belo índice remissivo no final então não tem com o que se preocupar.

Se você nunca leu os romances do Leonel, não pretende ler e  joga Tormenta RPG (morte à você por isso), não precisa se preocupar porque este suplemento contém um belo resumo da trilogia, então você pode comprar sem medo e curtir tudo de novo que ele traz!

Diga-se de passagem o livro traz muita coisa nova!

As ilustrações estão numa faixa de 50% entre novas e velhas! As novas estão incríveis, muito bem feitas.

Uma das reclamações que mais li sobre este suplemento é que ele tem muito material repetido de livros antigos, até mesmo de publicações mais recentes. Por exemplo, as regras para as criaturas e áreas da tormenta, a Anticriação, descrição de reinos de Arton e dos planos dos deuses, os modelos de Sumo-sacerdotes e meio-dragão, os poderes concedidos para Clérigos de Kallyadranoch e a raça dos Centauros.

Quanto a isso, penso que seja justificável que regras de materiais antigos como do Panteão e Área de Tormenta sejam republicadas pois em algum momento isso teria que acontecer. Então eles aproveitaram bem esse suplemento para isso. Porém as regras mais recentes poderiam ser apenas referenciadas, deixaria mais espaço livro para outras regras. Entendo também que muita gente reclamaria caso essas regras não estivessem no livro, seus argumentos poderiam ser que os autores queriam obrigar os jogadores a comprar a linha inteira de produtos.

O pessoal que não tem todo o material da linha de Tormenta RPG vai se dar muito bem. Quem tem, não precisa deixar de comprar, o livro é muito mais do que isso!

As críticas gerais são essas vamos às específicas.


Não há morte!



Começamos muito bem com uma explicação detalhada da Ordem Morta de Vidência e Numerologia, inclusive com possíveis aplicações em jogo. Em seguida encontramos a classe básica Samaritano, as fichas iniciais de Vallen e seus companheiros seguidos da classe Executor Imperial, poderes concedidos para clérigas de Lena, clérigos de Tauron e Paladino de Thyatis, fora as descrições dos lugares por onde os aventureiros passam. Temos também a volta triunfal do Beholder! Aqui ele é chamado de Tirano Ocular!

De novidades temos a ficha do pirata Sig Olho Negro, regras para lutar em navios, novos poderes oculares para nativos de Collen, regras para o vício de Achbuld, jogos de azar, ferimentos permanentes, intervenção divina, como criar um campeão de guerra, a CdP Bruxo da Tormenta, os poderes concedidos da deusa Anilatir, novos talentos e a ficha do Tex Scorpion Mako.

Não obstante, considero o ápice desta parte a transcrição da luta entre Vallen e seu grupo contra o Albino, uma descrição detalhada da invasão ao Palácio Rishantor e as regras para os Diabretes Negociantes. A transcrição dá uma aula de como desenvolver um combate emocionante usando tudo o que o sistema nos oferece, a invasão do palácio vem acompanhada das fichas de suas forças de defesa principais e tabelas de armadilhas, por último as regras para negociar com os diabretes são uma excelente ferramenta da trama!

Muito bom mesmo, não tenho do reclamar. As fichas dos personagens não são repetidas, na realidade visto que da vez que foram publicadas era ainda para o D20. As regras para clérigo de Anilatir e a ficha do Tex já foram publicadas na Dragon Slayer mas quem não a comprou vai adorar, quem já tem não vai precisar consultar a revista direto. Fora os itens mágicos como a Wakizashi da Morte, Cálice dos deuses e o Tomo da Criação Mágica. Existem mais outras coisas interessantíssimas mas acho que já ficou claro que o capítulo é bem completo.


Por Arton!



Após nos situar em Arton e relatar as consequências dos eventos do primeiro romance, somos apresentados as fichas do Darien e Vincent bem como todos os simbiontes da tormenta descritos no Área de Tormenta, novos simbiontes e dicas de como aproveitá-los e criá-los.

Nesta parte do livro temos as seguintes classes: Cavaleiro da Ordem da Luz, Mestre Armeiro, regras para Druidas de Allihanna, clérigos de Keen e de Nimb, o Algoz da Tormenta, o Escapista, Médico de Salistick e Ginete de Namalkah.

São apresentadas as fichas de Orion e Vanessa Drake em momentos distintos, bem como as de Ingram e Trebane, os generais corrompidos do Exército do Reinado, Zara Lysande, Dee, Cavaleiro Risonho, Bernard Branalon, Alenn Toren Greenfeld, Sir Pelvas, Artorius corrompido pela Tormenta, Hipogrifo, A Rainha das Fadas, entre outros.

Algumas coisas são explicadas neste capítulo, como a Maldição de Gregor, como o Artorius conseguiu expelir e ainda utilizar os simbiontes, textos descritivos sobre a Confraria do Rugido, A guilda dos Médicos Monstros e regras para implantes, entre outros personagens ou situações que ficaram "sem explicação no romance".

Creio que nesse capítulo se destacam as regras para combates em massa, para a corrupção da tormenta e para ordens de cavalaria. Me impressionei com os combates em massa porque achei que seria uma cópia do que existe no Aliança Negra ou Guerras Táuricas, mas é algo totalmente novo. Os combates aqui são entre exércitos com centenas ou milhares de soldados, com generais e heróis fazendo parte de suas tropas. São regras simples e bem elaboradas com mecânicas novas que podem deixar suas campanhas mais interessantes.
As regras sobre a corrupção da tormenta era algo que já era bastante pedido pelos fãs/rpgistas do cenário. Elas são simples e eficazes, adorei a divisão dela em estágios e os efeitos são bem interessantes. Era o que faltava com relação a tempestade rubra para o cenário. Quantos aos costumes das ordens de cavalaria, são o suficiente para construir uma campanha inteira envolvendo intrigas palacianas, duelos sobre cavalos, etc. Ficaram bem completas. Parabéns para o idealizador de todas essas regras.

Antes de fechar os comentários sobre este capítulo cabe aqui um comentário sobre o poder das novas CdPs, o Escapista, o Ginete e o Mestre Armeiro são muito poderosas. O primeiro consegue roubar ações de outros personagens, o armeiro consegue colocar habilidades de classe em suas armas e a terceira é uma máquina destruidora quando está junto ao seu cavalo. Elas elevam muito o poder de classes não-conjuradoras. E o Médico de Salistick é uma bela classe de suporte.


Das trevas trazemos a luz!



Tem muito o que falar sobre esse capítulo. Começando pelas fichas de personalidades como o Thulbok Farandrimm e de todos os Dragões-Reis, além da ficha do dragão prateado do início do romance.
Vemos também as classes Pregador, Sedutor, entre outras. A área de tormenta do reino de Glórienn é finalmente explicada e descrita.

É neste capítulo que encontramos as regras para criar deuses-menores, ficaram mais fáceis de se aplicar em jogo. Antigamente o personagem teria que arrumar 1000 fiéis, agora esse número pode ser adquirido em níveis. Por exemplo: Se o personagem tiver seguidores cuja a soma de seus níveis seja 1000, ele se torna um deus menor. As Classes Mago de Combate e Cavaleiro do Corvo são incríveis, além da nova classe básica Nobre. 

As ruínas de Hazonnd e Wondaronn não ficaram de fora do capítulo, bem como o lago Allinthonarid e os personagens Pai e Mãe. Eu adorei esses lugares no romance e acho que o Pai e a Mãe mereciam fichas, mas a descrição já é o suficiente. Gostei da descrição da Cidade do Deserto antes e depois da passagem de Crânio Negro e Ágata por lá. Inclusive os poderes da garota são fenomenais, ela é praticamente o Dr. Manhattan de Arton. 

Foi criado um breve histórico para os deuses menores que apareceram no romance, bem como seus poderes concedidos. Essa era a parte que eu fiquei mais ansioso para ver porque esperava ver a ficha do Garth e outros deuses legais, mas só a Espada-Deus, Cette e Goharom ganharam suas fichas. Aproveitando a deixa, foi explicado o que acontece diante da queda de um deus maior e pela primeira vez descreveram uma cerimônia realizada pelo Panteão quando um dos seus cai.

E pela primeira vez também, Tormenta ganha regras para personagens de níveis épicos! Todas as classes foram unificadas, seja básica ou de prestígio, e sua progressão consiste no ganho de talentos. Os personagens param de ganhar habilidades de classe e outros benefícios quando chegam no 21º nível, as habilidades ainda podem ser adquiridas através do talento Técnica Heróica. Os talentos épicos e usos para perícias nesse nível são muito interessantes. Muitos reclamaram alegando que o equilíbrio entre combatentes e conjuradores fica mais evidente em níveis épicos pois existem talentos que dão muitos pontos de magia enquanto os combatentes não conseguem causar tanto dano. Além de que fichas de personagens épicos não faltam, como Talude, Vectorius, Orion, Vanessa, Crânio Negro, etc. 

O poderoso Dragão da Tormenta ganha uma ficha incrivelmente ignorante, ele tem dois montantes de pontos de vida e só pode ser morto caso chegue a - 525 pvs. Também é traduzido para regras a estratégia de jogar a cidade voadora de Vectora em cima dele! Falando em dragões, também é dada uma regra alternativa para a longevidade destes seres para que seja possível criar exemplares frágeis fisicamente como o Delarax'os.

Um dos pontos altos do capítulo é a descrição detalhada da invasão dos Cavaleiros do Corvo a pousada da família Bibulus com direito ao mapa dos andares e o percurso realizado. 

Os Demônios da Pólvora são detalhados, bem como os itens feitos através dos sentimentos de Vallen. Também existem regras para criar itens inteligentes e como ficou a Rhumnam a espada-pistola gunblade

Encontramos também informações sobre Tillian após ganhar os presentes da deusa menor dos avós. E por fim somos apresentados a Edauros, o sumo-sacerdote de Kallyadranoch! 

Ufa! Muita coisa! 


O Apêndice e Conclusões

O Apêndice contém dicas de como utilizar esse suplemento gigantesco, além relatar o que aconteceu com cada personagem principal após O Terceiro Deus. 

Bem, eu gostei muito deste suplemento. Ele acrescenta muito ao cenário, suas novas regras são bem feitas. Como as regras para personagens grávidas, da cura espiritual oferecida pelo Pai e a Mãe e a do vulcão o Olho de Thyatis, sessões falando sobre cerimônias de casamento, batismos e etc. Ele complementa muito tudo o que já foi publicado até agora. Oferece uma gama de possibilidades para a criação de grandes sagas, vários plots deixados sem resolução após os romances, etc. Mesmo que você tenha tudo o que foi publicado sobre Arton desde o lançamento do cenário, não vai se arrepender de comprar esse livro-monstro! 

Fiquei muito satisfeito com tudo o que eu encontrei. Praticamente tudo o que eu queria está no suplemento, exceto por algumas coisas! Mas nada que estrague a qualidade final do produto. Algo muito legal de ler é a explicação do Leonel a respeito de várias decisões envolvendo os personagens ou a falta de certas descrições, como a falta dos efeitos negativos do coração da Tormenta sobre Rufus e Ashlen. Isso nos dá dicas de como criar boas narrativas sem se importar tanto com as regras de rpg ou caso venhamos a escrever um romance como podemos desconsiderar certos aspectos do mundo fictício em nome de uma escrita mais ágil e emocionante.

Este livro não é apenas um guia para a trilogia, é um compendium de regras para Tormenta RPG. Tem tanta coisa nova que, apesar de não ser obrigatório, pode fazer falta em sua mesa! 

Até agora só elogios mas vamos às coisas que senti falta no livro, não são tão indispensáveis assim mas vamos lá.

  • Eu acho que por terem morrido, Cette e Goharom não deviam ter ganho fichas. Creio que os deuses-menores sobreviventes eram para ser os privilegiados.
  • Cette e Goharom também foram os únicos que ganharam ilustrações. Esperava ver o Garth, o Irione e o Deus das Cidades. 
  • Também gostaria de uma ilustração da Rhumnam após a modificação que o Ingram fez. 
  • Eu pensava que os Lordes da Tormenta teriam fichas mas isso não aconteceu. Acho que virão no futuro Guia do Mundo de Arton.
  • Também pensei que encontraria a ficha da Malabarista e do Mestre Arsenal. 
  • E as CdP Franco-Atirador e Lobo do Mar ficaram de fora, mas aparentemente não mudaram em relação ao Piratas & Pistoleiros e as regras necessárias estão descritas no livro.

De crítica mesmo, só isso. 

A nota final, bem, não como não ser 10! Mas ainda reluto em admitir que este seja o melhor suplemento do Leonel. Tenho um carinho muito grande pelo Área de Tormenta e o Valkaria: Cidade Sob a Deusa. Mas, quer saber, até agora é melhor sim! Parabéns Leonel por ter escrito algo tão legal, ao Guilherme por transformar em regras tudo o que aconteceu na trilogia e ao pessoal da arte que fez um trabalho incrível! 

Simplesmente ÉPICO!

p.s.: Eu não comentei muito sobre as regras dos níveis épicos porque pretendo testá-las e só depois escrever mais detalhadamente a respeito. 

5 comentários:

pinebullet disse...

Resenha muito maneira cara!
Fiz uma tb, olha no meu blog.

* Andhora Silveira * disse...

Bem legal... Eu tenho muito orgulho quando vejo algo assim: escritores brasileiros mostrando que são muito bons em escrever romances épicos de fantasia. Esse Guia parece ser excelente. Com certeza um item indispensável para jogadores de RPG e amantes da literatura fantástica.

No mais, muito boa sua resenha, parabéns =*

Bob Mota disse...

pinebullet, assim que puder eu olho. Pode deixar!

Andhora, eu fico muito feliz com tudo o que vem surgido de escritores de fantasia no Brasil. Não li todos os livros e sei que pode ser que muitos não me agradem mas o que importa é que isso vai crescer muito daqui pra frente e podemos esperar boas coisas daí.
O Guia da Trilogia é um material que te dá boas idéias de como tornar suas aventuras mais interessantes, tem muita coisa nele de fato. Espero poder utilizá-lo logo!

Igor disse...

Eu comprei o Guia da Trilogia a muito tempo assim que saiu, e parabéns, a resenha está épica, tão épica quanto o material do Guia!!

José Carlos Borges disse...

Olá...muito bom a resenha...cara parei de ler sobre o mundo de arton antes da libertação de valkaria..por motivos de vida adulta + filhos...agora quero voltar e antes de jogar quero me siturar...vc poderia me dizer quais livros e se puder na ordem que eu deva le-los para que eu possa me situar de novo....meu email para contato e arleytc@hotmail.com

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...