segunda-feira, dezembro 12, 2011

Protagonistas Feios - Mais espaço para personagens feios no seu cenário de rpg



Um assunto quase sem importância, mas que decidi escrever sobre isso hoje! Quantos protagonistas feios você já fez para suas aventuras de rpg? Digo, não feinhos que com uma roupa nova e uma maquiagem, ficam bonitos. Não aquele tipo de "gente feia" que geralmente aparece em filmes "B" ou de comédia/ romântica (aaaarrrgh, como eu odeio isso) que "fica bonito" do dia para a noite.


Apesar de acreditar no que meus pais sempre falaram: Não existe gente realmente feia, o que é feio para você pode ser bonito para alguém.
Gente feia sofre! E que tal transportar isso para suas aventuras fazendo um personagem realmente feio, mas que impressiona de diversas maneiras?

Mas porque se importar com esse tipo de detalhe? 

Certa vez eu li uma matéria do o Leonel Caldela, sobre personagens perfeitos. Que na maioria das vezes os jogadores davam defeitos ou desvantagens para os seus personagens que não eram de fato defeitos ou desvantagens. Ele cita na matéria o Goku do anime/mangá, Dragon Ball! O único "defeito", ou fraqueza, ou desvantagem dele é: Medo de Injeções!

Na mesma matéria ele diz que seria interessante você sempre tentar dar características aos seus personagens que você não gostaria de ter. Por exemplo: Alguma deformidade, vício, etc. Isso proporcionará desafios de interpretação para você. E pode tornar seu personagem único e que será lembrado sempre, pelas proezas que conseguiu realizar vencendo suas dificuldades.

Mas e o que isso está relacionado com a feiura?

A feiura pode ser uma grande desvantagem em qualquer cenário. Estou falando de um personagem realmente feio! Esse tipo de característica rende boas histórias.


O Feio Herói

Um exemplo: Uma animação para crianças lançada pela Disney em 1996, o Corcunda de Notre Dame. Quasimodo. O personagem é feio, e a Disney não poupou na feiura. E o tipo de história contada é justamente o que proponho para um personagem de rpg. 

A beleza está nos olhos de quem vê.

O povo tinha medo do Quasimodo, não davam crédito à ele. Davam crédito à qualquer outra pessoa mais bonita, mas dificilmente à ele.
Isso seria uma baita desvantagem, pode dar uma história muito interessante, o personagem teria que lutar contra tudo o que sua aparência provoca onde quer que ele esteja, para mostrar que suas deformidades não o impedem de ser um herói.

O Quasimodo mesmo, apesar de ter membros desproporcionais, uma baita corcunda e etc. Ele é extremamente ágil para se movimentar pelas torres da Catedral de Notre Dame. Não só por ela, mas pelos tetos das casas de París! Ou seja, sua aparência engana, o que pode dar uma certa vantagem até.

O Shrek também é outro exemplo bem interessante. Esqueça a animação, por enquanto, ela foi baseada num livro alemão de 1990 do escritor William Steig. O nome Shrek significa: Feio, Horror. É um livro sobre um ogro que abandona sua toca para conhecer o mundo! Por ser um ogro horrível ele sofremas consegue sair das situações impostas.

O verdadeiro Shrek

O preconceito contra gente feia, pode ser bem trabalhado numa mesa de rpg, temos várias histórias que falam sobre esse tipo de superação. Se inspire nelas.


O Feio Conquistador

O feio conquistador é um outro plot para ser explorado nos mais diversos tipos de cenários. Eu já li um livro chamado, O Jogo, do Neil Strauss. É uma comédia bem legal, que fala sobre uma organização secreta de conquistadores de mulheres. O mais interessantes é que todos fogem do padrão atual de beleza, ou tem algum problema (por mais bonitos que sejam) que os impedem de conquistar mulheres! 
Esse pessoal se reúne secretamente e fazem cursos de como conquistar o amor de suas vidas utilizando os mais diversos tipos de recursos! E no final conseguem! 


E o senhor Leonel Caldela, que também leu esse livro, trouxe para o rpg do Neil Strauss e bolou a classe O Sedutor para Tormenta D20. A imagem de um representante da classe mostra um halfling bem feiosinho cortejando uma donzela élfica! As habilidades de classe são independentes da aparência.

O Sedutor de Tormenta D20
Outro exemplo é uma música do Gabriel, O Pensador. O Rap do Feio. É bem divertida a letra. Fala sobre a vida de dois irmãos, um bonito e um feio. O feio é o maior conquistador porque aprendeu a se virar sem a beleza. Enquanto o bonito não conseguia se garantir porque confiava demais na beleza e não sabia conquistar ninguém!

Pense nisso, um personagem feio mas conquistador pode divertir bastante! Quando colocar um Carisma alto no seu personagem, ou algo equivalente, faça com que isso signifique que ele saiba conversar e se virar na sociedade e não beleza. Ele pode muito bem ser um feio que sabe conquistar as pessoas por onde quer que passe.


O Feio Turrão

Personagens feios não precisam ser sempre simpáticos ou desejar conquistar alguém! Pense no Jonah Hex da DC Comics. Ele tem uma baita deformidade na cara e não está nem aí para isso. Quer saber apenas de ganhar as recompensas que merece por pegar os sacripantas do velho oeste!
Ou Marv de Sin City, um caçador de recompensas do mundo moderno. Um brutamontes durão e violento que não deixa de ser cavalheiro com as mulheres! Um cara pra lá de feio, mas que não liga para isso. 

Feio mas não liga com isso!

Ele também não liga para sua aparência!

Trabalhe na mente do personagem também, alguém que sofreu preconceitos por toda a vida pode vir a se tornar alguém extremamente violento como o Marv ou o Jonah Hex. Além da sua aparência, sua personalidade o torna alguém bastante difícil de se conviver. Isso pode gerar várias consequências para grupo de aventureiros.

O Hellboy, ele pode não ser um humano, mas sua aparência atrapalha muito se ele precisar se relacionar com alguém. Aliás sua natureza atrapalha. Porém o nosso amigo não se preocupa tanto com sua aparência, no entanto sua vida toda gira em torno dele querer provar de uma vez por todas que não vai trazer o fim do mundo, ou que ele não é um demônio do mal, que pode viver neste mundo sem destruí-lo. Porém sempre é enfatizado em suas histórias que a única salvação para o mundo é a sua morte. Que inevitavelmente ele irá trazer a destruição!

A aparência é o de menos!

É uma premissa bem bacana. O seu personagem está ligado a uma profecia relacionada a sua aparência horrenda. O que pioraria muito as coisas. Por ser quem ele é, está destinado a trazer a destruição por onde passa. E o personagem tem que lidar com um problema bem maior.
Desse modo ele pode ser um turrão por acreditar que a profecia possa machucar quem se aproxime dele, ele então quer afastar todos a sua volta, no entanto ele é necessário para o cumprimento de alguma missão ou campanha e precisa estar sempre cercado por pessoas. Isso o irrita e só piora as coisas.


Conclusão

Por mais idiota que isso possa parecer, pra mim não é. Penso que todo tipo de detalhe que você possa acrescentar num jogo para torná-lo mais divertido vale! Inclusive a feiura. Sair da mesmisse em que os personagens são sempre o ápice da perfeição para sua raça, são sempre lindos, não tem nenhum defeito, se tem uma cicatriz é uma bem legal. Se tem uma deformidade, é a falta de um dedo ou algo que não atrapalhe em jogo. O mais divertido para mim é algo que atrapalhe! Que faça você se virar para sair das situações impostas de maneira criativa e única! A feiura pode sim proporcionaruma personagem marcante em vários sentidos.

3 comentários:

biroscanerd disse...

Post bem interessante, Moisa!

Como exemplos de feiosos sedutores, posso citar o cantor Serge Gainsbourg, que catou muitas mulheres (incluindo a Brigitte Bardot) só com seu chalme.

Você não leu, mas Brienne de Tarth, de A Song of Ice and Fire, também é uma ótima personagem e feia feito um acidente de trem.

Então, acho que a chave é isso: todo personagem tem um diferencial, e a gente tende a se identificar melhor com pessoas que possuem defeitos, mas tem algo de bom. É por isso que nunca concordei que Carisma fosse beleza, porque existem bonitos que são chatos e arrogantes e acabam sendo um pé-no-saco, e feios que possuem muitas qualidades e charme e etc.

Agora uma coisa: é difícil pras meninas jogar com personagens feiosas. Acho que todo mundo busca meio que um ideal quando faz um personagem, e as garotas geralmente (não me apedrejem, geralmente!) procuram jogar com bonitonas e fatais! =P

* Andhora Silveira * disse...

Sempre achei que mais importante que a beleza fossem a inteligência e o caráter de uma pessoa. Sempre busquei isso em alguém. É pensando nisso, que temos na literatura e cinema tantas referências desse tipo. "A Bela e a Fera" (na literatura, e, como descobri recentemente, na série de 1987), Shrek, Hellboy, etc, etc. Esses autores querem demonstrar exatamente isso.

Eu acho bastante válido trazer isso para o RPG, tanto para meninos, como meninas também!

Eu discordo um pouquinho com Daniel Ramos. É bem verdade que GERALMENTE as meninas costumam fazer personagens fatais e gostosonas. Mas por que será que isso acontece? Vem da nossa cultura machista (e não vou começar aqui um discurso feminista, pois estou longe de ser feminista). Basta observar as gravuras e ilustrações que os livros de RPG possuem... Peitudonas em trajes mínimos, e que acredito eu, a maioria desses desenhos são feitos por homens. Nos deparamos com isso, qual é a garota que vai se atrever a fazer algo diferente? Também vem a questão do ideal de beleza, como o Daniel falou... muitas meninas querem aderir a um ideal de beleza que todos, ou a grande maioria (para não generalizar) dos homens cultuem. É complicado. Está na cabeça das pessoas. Na cultura. Isso é difícil de mudar e reflete até no RPG.

Mas há quem se atreva a fazer diferente, fugir da visão da maioria, e acho essa iniciativa muito boa :)

Ótimo post!

Bob Mota disse...

Dan, eu vou procurar me informar sobre essa personagem. As Crônicas de Gelo e Fogo parecem estar trabalhando muita coisa que eu queria ver em um ambiente de fantasia clássica. Eu também não considero Carisma como beleza, eu sempre digo aos meus jogadores: Carisma baixo pode representar um bonito-chato!

E Andhora, concordo que esse padrão de beleza está enraizado na cabeça das pessoas e você acaba cedendo mesmo sem querer. Por isso que eu fiz esse post para mostrar que nem sempre fazer um personagem dentro dos padrões o torna marcante, pode ser mais divertido tomar o caminho contrário.

Obrigado pelos elogios dos dois!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...