segunda-feira, novembro 28, 2011

Street Fighter II - Victory



Games de luta dificilmente tem personagens com alguma profundidade. Geralmente todos os backgrounds deles são uma história trágica que provoque o desejo de vingança, ou o indivíduo quer poder a qualquer custo, ou é um policial perseguindo um bandido, e por aí vai. Isso não é ruim, queremos dar porrada nesses games e ninguém liga para os backgrounds dos personagens. Todo mundo aqui quer fazer combos, acertar golpes especiais, liberar personagens secretos apelões e etc. 
Mas e quando tentam adaptar esse mundo para uma mídia como o cinema, televisão, ou quadrinhos, apenas as lutas tem condições de sustentar toda uma série?

Talvez uma série curta se sustente com algumas lutas, ou um longa metragem de animação. Talvez uma sequência de longas com desafios diferentes, sim. Mas acho que uma série longa, dificilmente se sustentaria dessa forma. O que fazer?

Resposta: Tentar dar profundidade aos personagens. Trabalhar suas personalidades e quem eles são. Tentar aproximar o público e fazer ele se identificar com os personagens não só pelos melhores combos ou ataques especiais, mas fazer com que o jogador se identifique com outros fatores também.

Street Fighter II - Victory é a resposta!
Street Fighter II - Victory faz isso. Ela pega os personagens de um dos games de luta mais famoso de todos os tempos, insere seus personagens num mundo crível, dá à eles personalidade, etc. Tá certo que eles não ganham tanta profundidade quanto os personagens de Tokyo Godfathers, mas é muito bem feito.

O anime é de 1995, conta a história dos jovens amigos Ryu e Ken. O segundo, como sempre, um mega-milionário, quer reencontrar seu amigo de infância Ryu e manda para ele dinheiro e uma passagem de avião para os E.U.A. pois o mesmo estava morando no Japão. 
Interessante aqui é que a série coloca os lutadores dos games como pessoas normais, você mal vê Ryu com o seu clássico kimono branco. O vê mais com roupas normais, e isso com todos os personagens, exceto por Dhalsim e Bison. 
Já na terra do Tio Sam os garotos saem para beber e se divertir durante a noite e acabam encontrando com um bando de militares. Lógico que acontece uma luta e Ryu e Ken saem vitoriosos, Então chega o Coronel William Guile da Força Aérea dos Estados Unidos. Ele fica com muita raiva por ver os seus subordinados no chão e acontece uma briga entre ele e Ryu. O Japonês é moído, Guile humilha ele totalmente e num outro momento o Ken também.

Consegue identificar todos eles?

Então para terem uma chance contra Guile posteriormente, eles decidem viajar pelo mundo para conhecer novos lutadores, novas artes marciais, e aprimorar suas técnicas de luta. Essa viagem, bancada pela fortuna do Ken, os leva para a China onde conhecem Chun Li e Fei Long. Leva-os para a Tailândia onde encontram com Sagat numa prisão, também passam pela Índia e conhecem Dhalsim, nas Espanha Ken luta contra Vega, etc. Outros personagens que aparecem também são: Zangief, Nash, Balrog, Cammy e Akuma (mas este aparece sempre no meio da multidão, é uma brincadeira dos produtores da série, meio como "Onde está Wally?").

Onde está Akuma?
Cammy

M. Bison, como na maioria das vezes é o grande vilão do anime. O chefe da organização criminosa Shadaloo que desenvolve experiências genéticas e cibernéticas para produzir os mais poderosos soldados para o seu exército criminoso. Tanto que um dos melhores combates da série é entre Ryu e Ken, com o primeiro controlado por Bison através de um chip implantado na sua testa. Neste episódio acontece o tão esperado confronto entre Hadouken e Shoryuken!!! É incrível!!!

Cada lutador tem sua personalidade e desejos, os de Ryu e Ken são praticamente os mesmo. Guile é motivado pela vingança, seu companheiro Nash foi morto por Bison. Chun Li é uma estudante de Jornalismo que atua como guia turística em Hong Kong e entra mais forte no mundo das artes marciais depois que seu pai é assassinado por Cammy, esta é uma assassina de aluguel. Fei Long é um ator de cinema que quer ser um lutador de artes marciais. Sagat é um prisioneiro que manda numa prisão da Tailândia. Vega é um cachorrinho da Shadaloo.

Fei Long VS Ken?
Sagat quebrando Ryu
Dhalsim ensinando Ryu e Ken
Ryu, Ken e Chun Li

A Capcom deu total liberdade para o diretor Gisaburo Sugii, ele foi muito fiel ao básico de todos os lutadores e conseguiu inserir eles num contexto crível. Lógico que tem o Hadouken e tal, mas é detalhe. O importante é que esse anime dá uma aula de adaptação de roteiro, acho que um filme de Street Fighter com atores reais deveria tentar seguir essa idéia. Seria muito melhor que aquele lixo do filme da Chun Li. Bem sabemos que o anime tem inconscistências, como a idade dos personagens, mas o negócio é tão bem feito que agrada os fãs até hoje. Ninguém, ou pelo menos pouquíssima gente, se importa com as pequenas falhas. 
Eu adorava esse anime e hoje o considero um dos melhores em termos de adaptação de um game para a telinha. Os personagens estão um pouco diferentes em aparência dos games como conhecíamos, mas você identifica de cara. O roteiro é simples e fácil de acompanhar, e só não gosto de uma coisa: ele durou apenas uma temporada. O mais legal é que isso prova que uma adaptação mais crível de Street Figher é possível, e ainda tenho esperança de ver um trabalho como o de Mortal Kombat Legacy com Street Fighter. E para matar um pouco a saudade, assistam a apresentação do anime.

Abertura do SBT




Abertura do Cartoon Network




Abertura Original




Abertura Mais Legal

4 comentários:

RafaelKain disse...

Sem shadow de dúvidas... O melhor anime de porradaria de todo o mundo!

* Andhora Silveira * disse...

Quero ver esse anime!!!!

Anônimo disse...

Estou em um projeto criando um site para assistir online street fighter 2 no momento está em construção mas não deixem de acessar http:;;ststreetfighter2.eu5.org

Bob Mota disse...

RafaelKain, um dos melhores! Dizem que Hokuto no Ken é o melhor!

Andhora, achei que você tinha visto! Vamos baixar e assistir então!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...